Carlos Eduardo Godoy

Biólogo, fotógrafo de natureza... Professor!

 

2011 Participação na Bienal de Fotografia de Natureza

II Bienal de Arte Fotográfica Natureza em Cores / Ribeirão Preto 2011 - Enviei 4 fotografias representando o Grupo Luminous de Fotografia. Três delas foram aceitas para a exposição. Uma recebeu menção honrosa.

 * Foto 1 - Menção Honrosa

 

Leia mais:Exposições fotográficas

Experiência profissional em viagens de ecoturismo e/ou estudo do meio

Viajar para conhecer as belezas naturais de nosso planeta sempre foi um sonho, desde criança.

Esse foi o motivo que me levou a escolher a carreira de biólogo e fazer o vestibular para o curso de Ciências Biológicas na USP.

Ainda durante o curso, em 1986, comecei a guiar viagens de estudo do meio, levando alunos do ensino fundamental para a Ilha do Cardoso (SP) e Estação Ecológica da Jureia (SP). Mais tarde trabalhei nas principais agências de ecoturismo de São Paulo, planejando, operando e guiando viagens para todo o Brasil.

Organizei (operei, guiei, monitorei e coordenei) viagens de estudo do meio para algumas das principais escolas de São Paulo, sempre com o objetivo de colocar os alunos em contato direto com a natureza, o patrimônio histórico e a população da região visitada.

Tenho grande experiência no desenvolvimento de projetos  de estudo do meio, desde a avaliação do potencial local, a elaboração de roteiros e atividades, produção de material didático (apostilas e protocolos) até o treinamento de guias e monitores para a interação com o público.

Essas viagens têm como principal característica a exploração orientada do ambiente, de forma que sejam momentos de grande aprendizado e ricas experiências.

Como guia de ecoturismo, levei grupos de perfis variados, com idades entre 07 e 70 anos, para explorar regiões de grande beleza natural em caminhadas na Serra do Mar e Serra da Mantiqueira, em Parques Estaduais e Nacionais e até na Patagônia!

 

Locais de interesse ecoturístico

Durante o tempo em que atuei como guia e monitor conheci algumas das mais belas regiões do Brasil e Américado Sul:

  • SP - Cavernas do Petar, Fazenda Intervales, Caverna do Diabo, Ilha do Cardoso, Juréia, Itararé, Serra do Mar (várias trilhas).
  • MG - Parque Natural do Caraça, Serra do Cipó, Serra da Canastra, Ouro Preto e região, Monte Verde, Serra da Mantiqueira (várias trilhas).
  • RJ - Parque Nacional do Itatiaia, Parati, Ilha Grande, Serra dos Órgãos (Petrópolis / Teresópolis).
  • RS - Canyon do Itaimbezinho, Canela, Gramado.
  • PR - Cataratas do Iguassú.
  • MT/MS - Pantanal / Bonito.
  • GO - Parque Nacional das Emas.
  • BA - Parque Nacional Marinho de Abrolhos, Chapada Diamantina.
  • PE - Arquipélago de Fernando de Noronha.
  • Patagônia argentina - El Calafate e Península Valdez.

Nessa época eu ainda não fotografava... e todas as imagens que tenho dessas viagens estão em minha memória.

Paisagens belíssimas, momentos inesquecíveis e pessoas especiais fazem parte de minhas lembranças! Posso compartilhá-los apenas com palavras. Isso me faz planejar voltar a todos aqueles locais maravilhosos e fotografá-los!

Agora como fotógrafo, espero transformar muitas das imagens de minhas memórias em fotografias que eu possa compartilhar com outras pessoas.

Em 2013, com o objetivo de orientar escolas, professores e alunos em suas atividades de investigação do Lagamar, criei o site "Lagamar", que reúne informações de cunho ecológico, histórico e turístico sobre a região de Canaeia, Ilha Comprida e Ilha do Cardoso.

 

 

Reflexão

"Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto." (Amyr Klink)

Como professor de Ciências, sinto-me privilegiado, pois o tema de minhas aulas é quase sempre algum fenômeno da natureza, algum ser vivo, algo misterioso e interessante para crianças e adolescentes. Conto histórias, viajo com a imaginação, crio situações diferentes, engraçadas, emocionantes... De repente, me deparo com olhos brilhando, queixos caídos, feições imóveis, atentas, ansiosas... felizes.

Eu realmente me divirto dando aulas! Adoro brincar com meus alunos e tornar cada assunto uma história cativante, divertida. Muitas vezes, eles ficam enojados com algumas explicações; outras, emocionados ou excitados. Ou, ainda, rolam de rir.

Meu desafio é fazê-los gostar de Ciências e, para que isso aconteça, desenvolvo diversos projetos com o objetivo de despertar o gosto pela natureza. Procuro usar situações do dia-a-dia e exemplos caseiros. Até trocamos receitas, pois a cozinha é um laboratório de Ciências muito interessante. E eles vão além. Hoje, grande parte da turma cria peixes em aquários e coleciona plantas carnívoras, pedras, conchas ou folhas secas.

Utilizo também muitos recursos da internet para me comunicar com a garotada. Envio regularmente um boletim eletrônico com notícias de Ciências e converso por meio de um programa de bate-papo, enquanto trabalho no computador. Freqüentemente, aparecem na tela mensagens do tipo: "Professor, você está aí?"

De vez em quando, algumas crianças "escorregam" e me chamam de pai. Os colegas até riem. No fundo, encaro isso como prova de que assumi um papel importante, marcante na vida delas. Isso me deixa profundamente lisonjeado! Outras vezes, algum pai me procura para agradecer pelo pulso firme, pelo interesse que o filho passou a ter ou pelo incentivo em algum momento difícil. Esse retorno é muito gratificante!

Sinto que sou responsável por cada uma daquelas vidas e comemoro as vitórias dos meus alunos, cada passo bem-sucedido, como uma vitória pessoal. E sempre que vejo algum sorriso de alegria e interesse me emociono e fico feliz por ter escolhido essa carreira.

 

Entrevista publicada na Revista Nova Escola, Edição 156, de outubro de 2002, na seção "Na parede da memória".
Nova Escola Online - http://revistaescola.abril.com.br/edicoes/0156/aberto/mt_244669.shtml#topo

 

 

"Se podemos sonhar, também podemos tornar nossos sonhos realidade" (Walt Disney)

De aluno a professor, de professor a pesquisador...

Biólogo, caipira, corinthiano, professor...

Desde muito jovem sempre fui apaixonado pela natureza, buscando compreender aquilo que ocorria ao meu redor a partir da observação atenta e de pesquisas posteriores. Ainda criança, "experimentei, investiguei, descobri"... Passava grande parte de meu tempo em uma chácara da família, com lagoas, matas, morros, noites escuras, céus estrelados, amanheceres e anoiteceres...

Caipira de Amparo (SP), resolvi estudar na universidade e prestei vestibular para o curso de Ciências Biológicas na Universidade de São Paulo. Dirigi meu curso para uma formação mais profunda em Ciências Naturais, ainda não percebendo a importância das disciplinas da licenciatura na Faculdade de Educação (Hoje vejo o quanto elas são importantes!).

Durante o curso comecei a trabalhar como monitor em viagens de Estudo do Meio, levando alunos para realizar pesquisa em campo, em locais de natureza quase intocada, como o Parque Estadual da Ilha do Cardoso (Lagamar) e o Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR). Trabalhei 12 anos como monitor nessas viagens de estudo do meio, levando alunos de todas as idades (Ensino Fundamental à Universidade) para realizar trabalhos em campo, em todo o Brasil.

Foi então que descobri o quanto é gratificante participar do processo de crescimento dos alunos, participando na construção de sua experiência de vida, de seu aprendizado (conhecer, fazer, viver... ser), de seu caminho. Isso nos faz crescer também.

Percebi que a sala de aula era o meu lugar. Depois disso iniciei minha vida como professor em sala de aula.

Dar aulas é algo que considero desafiador, instigante, misterioso...apaixonante! Dar aulas é aprender junto com outra pessoa. Dar aulas é crescer continuamente.

"Caminhei" algum tempo na sala de aula, observando, fazendo, pensando sobre a maneira mais eficiente, para professor e alunos,de compartilhar aqueles momentos diários em um espaço "fechado", no qual trocamos ideias, experiências, dúvidas...

Busquei novas maneiras de realizar essas atividades. Busquei formas mais interessantes, cativantes, instigantes, desafiadoras... eficientes.

Essa busca me levou de volta à universidade. A pós-graduação é o caminho natural para aprender a realizar melhor aquilo que faz parte de meu cotidiano.

Sou professor! Tenho objetivos claros como educador. Quero atingi-los mais rapidamente, mais eficientemente, com melhor qualidade. Quero que meus alunos aprendam melhor, mais rápido, com mais prazer.

Para isso voltei para a sala de aula, agora como aluno, professor e pesquisador simultaneamente.

Vejo a sala de aula como um local onde conhecimento é compartilhado, e também gerado.

O olhar atento do pesquisador para as complexas e dinâmicas relações entre alunos e professor, em todos as direções e sentidos, possibilita a descoberta de nuances do processo de aprendizagem que merecem ser melhor estudadas em busca da eficiência nesse processo.

Esse é o objetivo de meu pensar e fazer diariamente.

Embora tenha "pausado" o mestrado, espero retornar e finalizar essa etapa.

A pausa, entretanto, não mudou o meu pensar e fazer enquanto professor. Busco continuamente entender o que ocorre na sala de aula, de que modo os alunos pensam enquanto "aprendem", o que é eficiente e o que não é...     

Canal Sala de Ciências 01

Canal Sala de Ciências 02

Canal Sala de Ciências 03

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Blue Red Oranges Green Purple Pink

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction